sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

CRIAR SEMPRE

Nada como a arte para enlevar os corações. A criatividade do ser Humano é excepcional. Refletindo: todas as criaturas dão continuidade à Criação, num efeito elíptico, rumo ao infinito. Nunca param de criar e recriar.
A criatividade do ser humano pode ser empregada para o bem ou para o mal.
É o livre arbítrio de cada um que determinará para onde e para o que será direcionado esse dom da criatividade.
Se para o lado ruim, como muitos fazem, então o resultado é sombrio trazendo tristeza, angústia e sofrimento para a natureza e para a humanidade.
Se a criatividade é utilizada para o bem, o efeito é de luz proporcionando alegria, paz e esperança porque reflete uma pequena porção de um paraíso.
Está nas mãos de cada um transformar os corações e modificar a partir de si, da família, ali mesmo, o lugar onde se mora e o meio em que se habita.
Todos são capacitados para isso e devem assim agir, procurando sentir através do olfato, da visão, do paladar, da audição, enfim com todo o seu ser, o significado divino presente em cada detalhe da beleza existente nessa ‘nave mãe’ Terra. Somente através dessa forma de sentir é que cada um poderá se tornar uma célula multiplicativa de alegria, entusiasmo e positivismo.
Será bom curtir um pouco de arte apresentada no Encerramento da Expo de Shangai! Belo conjunto cênico e musical. Bom proveito!
J. Rubens Alves

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

NINGUÉM DEVE ESPERAR

Não é preciso buscar ao longo do tempo, histórias de opressão, vingança e rede de intrigas. Hoje mesmo, bem à vista de todo o mundo pipocam ainda, ali e acolá, verdadeiros crimes pautados pela antiga lei do talião “olho por olho, dente por dente”.
Há lugares e corações onde essa lei ainda não foi abolida para dar lugar à nova lei do Amor. Tudo sob a égide de se manter o poder e o controle de uma situação confortável.
Nos corações dominados pelo espírito de opressão, pela sede de vingança e violência não penetrou, certamente, uma réstia da Nova Luz.
Permanecem envolvidos por escuridão, alimentados pelo Mal que os domina.
Apesar disso, há sempre uma esperança renovada, um sonho acalentado de, algum dia, a maldade e a violência serem banidas do meio da humanidade.
Muitos descobrem que é engano esperar por oportunidade de cooperar com essa mudança do Mal para o Bem porque, às vezes, ela não acontece.
Ninguém deve esperar
É preciso criar essa oportunidade. É preciso fazer algo agora. Algo começando pela conscientização de que, a cada um, não basta só não praticar, nem ser conivente com o Mal. É necessário, além disso, buscar força e união para operar tais mudanças, não através da violência, mas de atos de mobilização inteligente para se alcançar libertação.
É exatamente isso que está acontecendo em vários países a partir de Egito.
Essa onda que estamos sentindo, vai ser mais forte do que imaginamos porque, como dizia alguém, povo unido e mobilizado ninguém domina.
J. Rubens Alves

sábado, 19 de fevereiro de 2011

APRENDER A ENXERGAR

Afinal quem somos nós, o que buscamos e como nos inserimos nesta pródiga Terra da qual somos somente peregrinos?
Enviaram-me uma breve estória e, mesmo desconhecendo a autoria, ela nos levará a refletir sobre o buscar nossa identidade.
A estória completa o texto anterior:
“Certo dia, um chinês chamado Chang tomou uma resolução: iria dedicar sua vida para meditação. Decidiu ir para um mosteiro no alto de uma solitária montanha, com objetivo de encontrar o entendimento e a iluminação.
Viajou muitos dias e, ao chegar frente ao portão principal do mosteiro, encontrou aquele que seria o seu mestre. Chang foi recebido com muito amor pelos monges que há muitos anos viviam por lá. Eufórico, dizia a todos:
- Vim para buscar minha iluminação.
Passado algum tempo, o novato monge Chang começou a ficar descontente com sua situação, pois não conseguia encontrar o caminho da luz. Procurou seu mestre e disse-lhe:
- Amado mestre, ensinaste muitas coisas belas e importantes nesta minha caminhada, mas ainda não consegui alcançar a iluminação em minha vida. Quero desistir da vida de monge e voltar para a minha aldeia.
E o mestre respondeu:
- Tudo bem, Chang. Já que você está desistindo desta vida de meditação, quero lhe acompanhar na descida da montanha. Amanhã, às 4 horas da manhã, estarei esperando você no portão principal do mosteiro.
No horário marcado, Chang encontrou o seu mestre. Ao sair do mosteiro, o mestre perguntou a Chang:
- Querido filho, o que estás vendo neste momento?
Ele respondeu:
- Mestre, vejo o orvalho da madrugada, o céu estrelado e uma lua maravilhosa e sinto o cheiro da flores.
Continuaram, em silêncio, descendo a montanha. Passada uma hora de caminhada, o mestre pergunta:
- E nesta parte da montanha, o que está vendo?
Chang respondeu:
- Vejo os primeiros raios de sol, escuto o canto dos pássaros e sinto a doce brisa da manhã penetrando em todo o meu ser.
E assim continuavam a descer a grande montanha. Passadas algumas horas, o mestre voltou com a mesma pergunta, e Chang assim respondeu:
- Mestre, neste trecho da montanha sinto o calor do sol, o som do riacho, o orvalho evaporando e os animais silvestres em harmonia com toda a natureza.
Seguiram a caminhada. Chegaram ao pé da montanha ao meio-dia. E mais uma
vez, o mestre fez a mesma pergunta, e Chang respondeu:
- Mestre, agora vejo a bela montanha, as árvores da floresta, o riacho doce que circunda o vale, o camponês cuidando da plantação de arroz. Vejo também uma criança feliz brincando com seus amigos.
Então o mestre lhe falou:
- Agora você já poderá voltar para o mosteiro.
Espantado, Chang perguntou qual seria a razão da volta ao mosteiro.
Respondeu o mestre:
- Porque você já encontrou o entendimento e a Iluminação.
- Como assim?
- Muito simples. Em cada etapa da descida da montanha você percebeu a importância de cada detalhe da natureza, compreendendo os seus sons, seus odores, suas imagens, suas cores e sua vida. Assim é que devemos ver e interpretar esta longa caminhada. A isto tudo, nós chamamos de iluminação. A cada degrau da vida você deve ser capaz de ver e sentir a beleza que ela oferece”.
O Belo é a expressão mais natural do Ser Divino. Se entendermos isso, nossos sentimentos se tornarão nossos olhos que penetram a verdadeira essência. Só é preciso aprender a enxergar.
J. Rubens Alves


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

VIDA RENOVADA

Existem tantas coisas simples que fazem bem a qualquer um que precise de combustível novo para sua chama interior.
A chama de vida começa a diminuir quando se perde a vontade de sonhar e se passa pelos momentos da vida sem ao menos notar as expressões de beleza e bondade ladeando o caminho.
Quem não possui sensibilidade para sentir esses detalhes sofrerá em uma caminhada longa, sem brilho e entusiasmo.
Será caminhada cega, sem focos de luz a iluminar os passos. Na escuridão não se conhecerá nem mesmo a própria identidade.
É preciso buscar entendimento e conhecimento das questões existenciais para, então, tornar nítida a própria identidade reconhecendo, em seguida, o que está em sua volta própria.
O conhecimento dessa identidade é que levará às mudanças marcantes na vida.
Diz um ditado: ninguém pesca sem molhar os pés!
Todas as mudanças trazem sofrimentos, mas só através delas será possível alcançar a liberdade. “É na fraqueza que se manifesta o poder” de renovação.
A liberdade do ser vem pela transformação de 'criaturas velhas em novas criaturas.
Como nova criatura se assumirá, efetivamente, a identidade divina que habita o interior de cada ser.
Em todo esse processo de conhecimento e renovação, percebe-se que Deus acende uma lamparina a cada passo, para que ninguém permaneça na escuridão, longe do entendimento e da compreensão de tantas maravilhas que são concedidas através de seu Amor Infinito.
E lá, bem lá no fundo, a chama viva que queima em cada um, nunca se apagará e refletirá luz aos que estiverem ao redor.
J. Rubens Alves

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

A ALEGRIA

O que é alegria? Como se pode vivê-la plenamente? Muitos se questionam desse modo e quando existe questionamento, dúvida e incerteza é sinal que não se experimentou da verdadeira alegria.
É costume relacionar a alegria juntamente com a felicidade e a paz interior. Algumas dicas, porém, podem ajudar a distinguir o tipo de alegria que se deve desejar.
Alegria é expressa por gestos e comportamento. Cada um se expressa do sorriso para comunicar que está alegre. Sorrir é um dos gestos mais simples que sinaliza alegria. O sorriso demonstra o grau de contentamento que se possui em relação à vida, às coisas possuídas, pelas companhias partilhadas naquele determinado momento da existência.
Estar contente e alegre é o mesmo que expressar agradecimento por aquilo que se vive, pelos estímulos que se recebe. O que causa prazer aos sentidos, causa alegria. Alegria é a expressão do prazer que se está sentindo. Quando a alegria está relacionada ao prazer que se sente por alguma coisa, então, certamente será uma alegria passageira.
Quando, entretanto, a alegria vem da aceitação de um estado de vida, de uma maneira de ser, então ela é uma alegria interior. Está mais relacionada com o íntimo, com a felicidade.
E felicidade é um estado de espírito. A felicidade não perdura apenas por instantes, mas quando alcançada, ela é perene, independendo de situações materiais. Pode-se ser e estar feliz, mas não necessariamente demonstrando euforia, sorrisos e gestos de alegria.
Felicidade está mais relacionada à paz interior e ao grau de conhecimento das coisas. Nem sempre a alegria estará relacionada à paz interior, pois pode ser provocada por estímulos artificiais. A felicidade, por sua vez, não precisa de estímulos, pois é adquirida, em geral, quando se controlam os desejos e estes não mais afetam o humor e o estado do ser.
Quem encontra a paz interior e fica de bem consigo mesmo, também encontra a felicidade e, certamente, alcançará a alegria verdadeira, algo como “um tesouro que a traça não come, nem a ferrugem corroi”, como descreveu Jesus.
Alegria, a verdadeira, é contagiante e divina!
J. Rubens Alves

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

AS GAIVOTAS

É verão aqui no Brasil. A visão maravilhosa: a praia, o sol intenso, o mar. O céu, completamente azul, límpido estava manchado somente por dois pontos escuros: duas gaivotas (Frigate Birds, que só aparecem nessa época), cortavam a orla em baixa altitude.
Naquele momento, as duas aves, interrompendo o vôo linear, iniciaram um vôo circular, cadenciado, mantendo entre si uma distância calculada. Sem bater as asas, tranquilas, continuaram por cerca de cinco minutos naquele ritual, tal como uma dança.
Aos poucos, planando sempre em círculos foram, cada vez mais, ascendendo.
Alcançaram rapidamente uma altura aproximada, um pouco mais ou um pouco a menos, de mil metros, sem qualquer movimento de asas.
E lá no alto, desfazendo a formação circular voltaram ao vôo linear, mas sem bater as asas em disparo e em expressiva velocidade.
Lembrei-me, então, que os planadores (aviões sem motores) e os amantes do ‘paraglider’ (espécie de paraquedas com pequeno motor) se inspiraram na natureza das aves para voar.
Conseguem essas grandes altitudes e velocidades, se utilizando das correntes ascendentes de ar quente, e ganham altitudes altíssimas em pouco tempo.
Ar quente sobe. Ar frio desce!
As pessoas deviam, também, se inspirar dessa forma para ganhar alturas maiores. Utilizando-se das correntes quentes de amor, de estima e solidariedade, todos deveriam ascender o quanto mais para próximo das coisas do Alto.
Somente as correntes quentes do Amor conseguem fazer que cada um se erga do solo e, lá de cima, tenham uma visão mais abrangente de si, da vida, das pessoas, da natureza e do mundo. Corações gelados e frios não alçam vôo e não ganham altura. É impossível se aproximar de Deus que em essência é Amor!
J. Rubens Alves


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

VIDAS SEM LUZ

Algumas manhãs prefiro caminhar até o local de trabalho. A trajetória inclui a travessia de uma praça arborizada, com bancos à beira de suas alamedas.
Num dia desses, ao redor de um dos bancos, podiam ser vistas marcas de cinzas e queima de algum produto.
Não estavam lá anteriormente. Eram semelhantes aos efeitos de queima de pólvora.
Notei que as marcas, contudo, foram aumentando e, em poucos dias, muitos outros bancos estavam marcados da mesma forma, pelas manchas de fuligem e cinzas.
Foi fácil deduzir que elas provinham de viciados em ‘crack’ porque, numa dessas manhãs, ali estavam cerca de cinco rapazes, claramente alterados pelo uso da droga.
Esses doentios jovens, empobrecidos também em seu espírito, já não se importam se os locais onde se expõem sejam áreas residenciais e com grande fluxo de pessoas.
A dependência química já lhes roubou a sensatez e a capacidade de raciocinar. É comovente, triste e ao mesmo tempo preocupante tal visão.
Carcomidos pela droga, já não vislumbram qualquer réstia de luz em suas vidas.
Para quem sonha, de alguma forma, socorrer e ajudar esses dependentes, qualquer iniciativa é uma missão quase impossível.
A esperança resiste nas instituições sérias que entre tantas dificuldades, tentam resgatar essas vidas de tamanho lodaçal.
Qual a nossa real posição para esse assunto vital?
J. Rubens Alves


quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

REINVENTAR SEMPRE

Há quase um ano, uma decisão profissional levou minha filha a associar-se em produção de eventos e festas de casamentos. O trabalho, na verdade uma arte em realizar sonhos de pessoas, além da satisfação profissional, proporciona momentos emocionantes e marcantes.
Muitos clientes, em especial entre as noivas, ao expressarem seus gostos e sentimentos no momento de escolher detalhes de tão sonhada festa, acabam partilhando ideias que impressionam pela sutileza e criatividade.
Uma delas, segundo relato, encomendou convites confeccionados com papel incrustado com sementes de flores e plantas.
Em princípio a iniciativa causou certa admiração, porque esse tipo de papel é pouco conhecido. Realmente há pouco tempo divulgou-se que sua produção, ainda bem exclusiva, visa seu reaproveitamento em forma de semeadura.
Um convite de casamento, portanto, poderá se tornar um vaso de flores, após a festa.
O que mais chama a atenção, entretanto, foi a originalidade do pedido, porque a jovem noiva desejou que seu convite, ao invés de ser rasgado e guardado no fundo de uma gaveta, ganhasse um sopro novo de vida.
Essa narrativa deveria servir como ponto de reflexão. Precisamos nos renovar jogando fora coisas novas e velhas, nos tornando pessoas transformadas.
Alguns, todavia, não se transformam. Simplesmente descartam de suas vidas coisas materiais e, sem constrangimento algum, desprezam muitos valores espirituais, éticos e morais.
Sem quaisquer critérios ou indícios de amor para com as pessoas e à Natureza laçam a sucata de suas vidas sem compreender a extensão ‘poluidora’ de seus gestos.
Como seria bom se cada um desejasse cultivar um canteiro de flores reciclando sentimentos e o coração, tornando-os novas sementes para gestos e atitudes.
Tal como a narrativa, reinventar pensamentos e plantá-los também em terra fértil. Compreendendo isso haverá um novo sopro de vida na Natureza e na convivência humana!
J. Rubens Alves

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

DIETA: QUE É O SALSÃO?


Surpreende o número de pessoas que se identificaram com o texto “UMA DIETA QUE MOTIVA” que você pode ler buscando-o na barra lateral.
Aqueles que moram fora do Brasil perguntam, muitas vezes, sobre este e aquele ingrediente. A maior dúvida recai sobre o Salsão.
Abaixo transcrevo a descrição dessa hortaliça:
“O nome científico é Apium graveolens e pode ser encontrado em supermercado ou quitanda pelo nome de aipo ou salsão. É uma verdura da família da umbelíferas, consumida desde a Antiguidade por gregos e romanos, é uma excelente pedida para quem faz regime. Rico em celulose, o salsão ou aipo favorece a secreção dos sucos gástricos, auxiliando a digestão e mantendo os intestinos em ordem. Suas fibras são substâncias importantes para o bom funcionamento do intestino e ajuda no controle da taxa de colesterol do sangue. Pela pouca quantidade de calorias, é recomendado para dietas de emagrecimento. O salsão possui, também, propriedades medicinais. Age como anti-oxidante, evitando a destruição de células, e é usado como um alimento digestivo, refrescante. O salsão contém quantidades pequenas de vitamina C, cálcio, potássio, ferro, fósforo e magnésio. É rico em sódio.”

O Salsão é delicioso, muito apreciado em todas a culinárias, em especial a Árabe.
Pode ser consumido à vontade cru ou cozido, em sopas, molhos, saladas e até em sucos.
Brevemente vou fazer a dieta que motiva, dos 13 dias descrevendo e divulgando os resultados dia-a-dia. Não estou precisando perder peso, mas vou fazê-la para desintoxicar e me sentir bem. Será uma partilha muito interessante com todos aqueles que se identificaram com UMA DIETA QUE MOTIVA!
J. Rubens Alves

APRENDER A APRENDER

Há alguns anos li “Homens e Caranguejos” de Josué de Castro, escritor brasileiro.
Uma passagem marcou bastante:
Um idoso que morava nos mangues era considerado um sábio por aquela população que habitava casebres sobre palafitas. Sobreviviam da cata de caranguejos.
No fim da vida, esse senhor idoso, tão respeitado nos mangues, já no leito de morte agonizando, pediu aos que lhe assistiam, que lhe pusessem nas mãos uma vela, como era costume.
Pobres, e na falta da vela, alguém saiu correndo até ao fogão de lenha, voltando com uma brasa viva, depositando-a nas mãos do sábio agonizante. Ele, então, surpreso por aquele gesto inusitado, levantou por um instante a cabeça e disse: “Estou morrendo e aprendendo”.
Essa passagem nos ensina que ninguém é auto-suficiente em qualquer assunto. Quando muito, um ou outro pode superintender sobre alguma matéria, mas sempre terá algo a aprender com qualquer outra pessoa que lhe cruze o caminho.
Se apurarmos a sensibilidade que existe adormecida em nós, seremos capazes de encontrar em cada detalhe de nossa vida, um significado especial que nos enriquece e ensina. A vida é um perene processo de aprendizado.
Na maioria das vezes, um significado divino que transcende nossa compreensão.
É preciso apenas, com humildade, assimilar, aprender e registrar!
No momento em que nos propomos a esse esforço, nos abrimos para a luz.
J. Rubens Alves


sábado, 5 de fevereiro de 2011

COMO CRIANÇAS

Ao entardecer admirava, da varanda de nossa casa, aquele garotinho de dois ou tres anos, em intensa alegria, dirigindo seu carrinho de plástico, pra lá e pra cá.
Fiquei imaginando como é interessante a vida.
No período da infância o ser feliz e o sonhar são de graça. Não é preciso pagar preço algum por eles, porque são sonhos despretensiosos, não visam resultados. Sonha-se sem custo. Isso gera realização e grande felicidade. Aí não existem desejos, simplesmente se vive o que o momento oferece.
Depois, na adolescência, já não conseguimos ser simplesmente felizes com o sonhar. Os sonhos passam a ser desejos. E desejos escondem sempre um custo. Se não for um custo financeiro, há um custo sentimental agregado a eles. Sonhar passa a depender de outros fatores que não interferiam, outrora, em nossa busca. Não nos contentamos mais em sonhar e ser felizes, independentemente do sonho se materializar ou não. A cultura assim imprime em nossa mente: para se alcançar a felicidade é preciso possuir.
Quando adultos, sob a ação do sentimento do possuir e do ter, esgotamos nossas energias trabalhando como loucos para realizar os ‘sonhos’. Cremos que são sonhos, todavia, são simplesmente desejos que por si não trazem a felicidade que buscamos. Quanto mais desejos, mais sofrimento.
Na velhice, então, nos revestimos da sabedoria e da pureza para olhar a vida. Trocamos a angustiante idéia do ter para simplesmente ser. Olhamos para trás e percebemos que não era preciso tanto sofrimento para ser feliz. Bastaria a continuidade do sonhar singelo e da pureza de espírito. O peso dos anos anula os desejos. Sem desejos elimina-se a angústia e grande parte do sofrimento.
Tornamo-nos livres para voltar a sonhar, como crianças.
Como são verdadeiras as palavras: ‘Se não vos tornardes crianças não entrareis no Reino dos Céus’.
De verdade, voltemos a ser crianças já, eliminando um processo desnecessário para alcançar o reino da felicidade!
J. Rubens Alves


sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

LINDO DIA

Todo dia é especial para ser celebrado. Celebrar a vida do nascer ao por do sol. Agradecer tudo o que somos e temos. Parece, às vezes, que possuimos menos do que desejamos, porque sempre estamos olhando ao redor o que o outro possui.
Na verdade, possuimos sempre mais do que merecemos pelos atos praticados no cotidiano.
A partir do dom absoluto da vida percebemos o grau de nossa riqueza!
Quando nos concientizamos disso, só nos resta celebrar cada dia, cada ano, cantando e agradecendo!
Obrigado por mais um minuto, um dia,um ano de vida!
J. Rubens Alves

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

QUE TAL?

Contei-lhes sobre aquela mãe que chorou no texto "Por Falar em Amor". Fui rever, então, um dos mais lindos textos do Novo Testamento sobre o Amor: 1Cor 13, 1-13.
É bom você conferir. Parte desse texto, inclusive, mesclado com soneto de Camões, até foi utilizado em uma canção da Legião Urbana, ‘Monte Castelo’.
Amor é ato generoso e gratuito. Por isso o amar é uma arte, um exercício, um processo longo de transformação. Não se pode aceitar outro caminho senão o do Amor.
Isso vale para pais, filhos, esposos e todos os humanos. O exercício do amor é mais leve e simples para quem aprende a doar-se.
É fardo duro para quem não entendeu que amar é doar-se e só quer ficar na cômoda posição de receber, sem retransmitir as vibrações do amor recebido.
Todo que assim age se revela egoísta e estará criando uma antítese ao ato recebido. Amor não combina com egoísmo.
Amor combina com perdão incondicional, generosidade, compaixão, partilha. Uma pessoa amorosa é desprendida, pluralista e generosa, compreensiva.
Quando alguém recebe uma dádiva de verdadeiro amor, seja da forma como vier, experimenta o que de mais puro existe naquele que provocou tal centelha.
Amor é o halo de ligação entre a Terra e o Céu.
Trata-se de algo tão puro, que todo gesto de amor desnuda seu praticante, deixando-o indefeso. Indefeso e com possibilidades de ser sugado e até ferido.
Se alguém não vive o amor, nem compreendeu o que é o amar, receberá qualquer gesto de amor como se fosse uma obrigação de quem o praticou.
O egoísta quer sempre receber mais, seja o que for, de quem está ao seu lado, em especial de quem sabe amar.
A natureza de dominação do egoísta se evidencia em forma de imposição, exigência e truculência, porque sabe que a pessoa amorosa é extremamente dócil pela própria essência do seu amor.
Pais, filhos, esposos, todos, inclusive eu e você: Que tal reaprender a amar!
J. Rubens Alves