Postagem em destaque

DNA DE DEUS

Existe um inconformismo com a crescente banalização da vida, do ser humano e da natureza. Essa realidade abrange o mundo inteiro, de uma f...

sexta-feira, 11 de maio de 2018

COMO CRIANÇAS

Há algum tempo, num entardecer de  dia como tantos outros na varanda de nossa casa, admirava aquele garotinho de dois ou três anos, em intensa alegria, 'dirigindo' seu carrinho de plástico, pra lá e pra cá.
Fiquei imaginando como é interessante a vida!
No período da infância o ser feliz e o sonhar são de graça. Não é preciso pagar preço algum por eles, porque são sonhos despretensiosos que não visam resultados. Sonha-se sem custo e sem riscos. Isso gera realização e grande felicidade. Aí não existem desejos, simplesmente se vive o que o momento oferece.
Depois, na adolescência, já não conseguimos ser simplesmente felizes com o sonhar. Os sonhos passam a ser desejos. E desejos nem sempre são propícios e quase sempre escondem um custo. Se não for um preço financeiro, há um custo sentimental agregado a eles. Sonhar passa a depender de outros fatores, de outras pessoas que não interferiam, outrora, em nossa busca. Não nos contentamos mais em sonhar e ser felizes, independentemente desse sonho se materializar ou não. A cultura usual imprime em nossa mente: para se alcançar a felicidade é preciso possuir.
Quando adultos, então sob a ação do sentimento do possuir e do ter, esgotamos nossas energias trabalhando como loucos para realizar os ‘sonhos’. Cremos que são sonhos, todavia, são simplesmente desejos que, por si, não trazem a felicidade que buscamos. Quanto mais desejos, mais sofrimento.
Na velhice, então, nos revestimos da sabedoria e da pureza para olhar a vida. Trocamos a angustiante ideia do ter para simplesmente ser, como se voltássemos um pouco a ser crianças. Olhamos para trás e percebemos que não era preciso tanto sofrimento para ser feliz. Bastaria a continuidade do sonhar singelo e da pureza de espírito. O peso dos anos, de fato, anula os desejos pequenos, porque o maior deles é o viver. Sem desejos eliminam-se a angústia e grande parte do sofrimento.
Tornamo-nos livres para voltar a sonhar, como crianças.
Como são verdadeiras as palavras: ‘Se não vos tornardes crianças não entrareis no Reino dos Céus’.
De verdade, voltemos a ser crianças agora, antes de envelhecermos na matéria de nosso corpo, eliminando um processo desnecessário para alcançar o reino da felicidade!
J R Rubens 


Nenhum comentário: