domingo, 22 de dezembro de 2013

PEQUENAS COISAS

É maravilhoso professar o amor pela vida,  manifestando a alegria por tudo o que ela oferece. 
Se vivemos é porque fomos escolhidos para receber esse dom supremo. 
Assim, é necessário viver com intensidade e temperança porque  tudo o que a vida proporciona é bom, desde que tudo seja vivido com equilíbrio e bom senso.
Essa demonstração amorosa pela vida poderá ser prejudicial se o ser humano cair na tentação de apegar-se a tudo o que existe de bom, a todos esses detalhes maravilhosos da vida, desejando que tudo continue indefinidamente, sem compreender que, em algum momento, haverá um termo a essa aventura. Afinal, não há como querendo evitar o inevitável.
A ingenuidade de viver tudo o que a vida oferece, como se não existisse nada além dessa dimensão material, torna o ser humano egoísta e pequeno demais, vulnerável diante de outras realidades que compõem a existência, como por exemplo, o estar frente a frente com o fim da vida e do mundo.

Quando se faz menção a essas duas realidades, morte e fim de mundo, mesmo em forma de boatos ou de previsões escatológicas, as pessoas apegadas demasiadamente aos bens materiais e às delícias maravilhosas da existência se sentem desnorteadas e sem sustentação.
Deixar-se envolver por essa ingenuidade, de que nada nesta vida é passageiro, é prejudicial. 
Enganar-se nesse pensamento certamente é permitir-se afogar ainda nesta vida, perdendo-se nela própria.
É fazer da própria vida uma morte prematura, mesmo que seja uma “pequenina morte” ao se angustiar pelo porvir desconhecido, ou buscando alternativas de se safar do inevitável fim.
Viver plenamente, através das pequenas e renovadas experiências que simplesmente acontecem porque devem acontecer, conduzem o ser humano à sensação de paz e felicidade.
Muitos perdem a vida, seu sentido e sua felicidade correndo atrás de coisas grandiosas, enquanto a sabedoria indica que nas pequenas coisas é que se ganha plenamente vida!
J. Rubens Alves

Um comentário:

Salada Potiguar disse...

Encarar a vida como passageira, esquecendo-se do bom senso é igualmente perigoso. Porque, se a vida é volúvel, "não preciso parar", "não preciso refletir", "reguardar-me um pouco para o amanhã", "não preciso sequer pensar em Deus agora".

No entanto, "ora, pois, assim diz o Senhor dos Exércitos: Considerai os vossos caminhos."


Ageu 1:5-6