domingo, 5 de abril de 2015

O GRANDE PAPAI

Certo dia conversava com um amigo. Além de profissional talentoso em Odontologia e conhecedor de muitos segmentos da cultura, ele possui uma visão simples da existência, considerando maravilhoso todo ser humano que faz da vida, uma experiência individual de Deus e um sinal de fé simples e singela. Na compreensão deste meu amigo, simplesmente devemos crer, aceitar Deus e a maneira como Ele se manifesta a cada um, sem ficar buscando grandes respostas aos questionamentos existenciais. Deve-se aceitar Deus e Seu projeto, especial para cada um, não escolhendo o que fazer ou filtrando ações, segundo conclusão própria, mas simplesmente, vivendo-se de acordo com a fé que se possui, os acontecimentos de cada dia. Mais ou menos ele queria dizer que, a base da vida cristã está no ato de escolher Deus e não suas obras. Sem perceber, esse amigo refletiu o pensamento de François X. N. Van Thuan, Cardeal Arcebispo de Saigon, um iluminado em suas revelações, recebidas durante o período em que permaneceu prisioneiro no Vietnan quando, com sua simplicidade de estilo e linguagem, partilhou em um livro, essas experiências e reflexões práticas sobre a vida e atitudes do ser humano e que servem para qualquer povo crente em Deus, independentemente se católico, cristão. François diz: “Escolher Deus e não as obras de Deus. Esta é a base da vida cristã, em qualquer época. E é, ao mesmo tempo, a mais autêntica resposta ao mundo de hoje. Sei que minha vida é uma sucessão de opções, a todo instante, entre Deus e as obras de Deus. Uma opção sempre nova, que se transforma em conversão. Maria (por exemplo) escolheu Deus, abandonando os seus projetos, mesmo sem compreender plenamente o mistério que se estava realizando em seu corpo e em seu destino. A partir daquele momento, sua vida se tornou um ‘sim’ sempre renovado. Sim que se atualiza sempre na mesma escolha: Deus e não as obras de Deus”. Essa opção encerra nossa escolha pelo amor, porque Deus, em sua essência é Amor. Esse meu amigo, também, me surpreendeu ao dizer que, além de considerar Deus como Papai, tal como Jesus ensinou, ele sente esse Deus como um Pai extremamente afetuoso e brincalhão! E isso ele justificou dizendo que Deus é tão brincalhão que deixou a marca de Seu sorriso e de Sua alegria em vários animais: na girafa, no macaco, no papagaio, no elefante, no cãozinho bagunceiro e em tantos outros animais da criação. Afinal, todos eles alegram a vida e não deixam de arrancar ao menos um sorriso da cara carrancuda de Seus filhos amados! É verdade: Deus é Pai, bondoso e brincalhão, porque deixa seus filhos livres, buscando seus caminhos, sejam quais forem até que, em alguma hora extrema e grave, se manifeste mais claramente, para acabar com o recreio demorado da vida! J. Rubens Alves

Nenhum comentário: