quarta-feira, 20 de maio de 2015

DESCONECTAR



Impossível você não notar ao redor a quantidade de pessoas falando ao celular, sem ao menos se darem conta do local onde estão, ou sobre o assunto que tratam sem o mínimo pudor. 
Incrível, até nas igrejas há sempre alguém transgredindo a sacralidade do local e, mesmo no momento mais sublime da celebração, está mais preocupado com suas ligações e recados.
Nas agências bancárias, pessoas na fila de atendimento não se dão conta que, ao falar em voz alta no celular deixam, em público, parte de suas vidas e intimidades de cunho familiar, financeiro e, vejam só, intimidades amorosas. Caem, sem perceber, no ridículo!
Ficam completamente desnudos, sem perceber que, ao seu redor, outras pessoas estão ouvindo tudo o que dizem nos malditos aparelinhos que se multiplicaram na base de dois para uma pessoa, em média!
A tecnologia é ótima, traz benefícios inimagináveis, mas quando mal empregada, distancia pessoas e divide famílias. 

Esse distanciamento é o efeito produzido pelos laptops, televisões e celulares mal e excessivamente utilizados.
Em cada cômodo da casa, cada um se fecha e isola em suas alucinações com esses aparelhos.
Os riscos de acidentes se multiplicaram, segundo pesquisas recentes, com pessoas sendo atropeladas quando atravessam as ruas e avenidas, com os fones conectados aos celulares.
Além de proporcionarem riscos de invasão na privacidade, os celulares viciam jovens e adultos aos jogos virtuais  e servem aos bandidos que, até mesmo do interior das prisões, continuam a praticar crimes e golpes. 
Tal como o excesso de comida, tal como as dependências químicas, o uso incontrolável desses recursos torna-se uma doença, um vício.
O pior de tudo, a parafernália dos tempos modernos e da tecnologia avançada contribui para as divisões familiares e a sua deterioração
Para não se perder o controle sobre essas maravilhas da modernidade, é preciso buscar uma disciplina sobre seu uso e o tempo que se emprega na sua utilização.
É impossível, é verdade, voltar no tempo para um controle efetivo sobre essas tecnologias que servem tanto ao bem quanto ao mal.
É possível, contudo, cutucar o senso crítico que resta ao ser humano e levá-lo a refletir sobre esse assunto, aparentemente, tão normal e corriqueiro! 
Os mais iluminados, com seu exemplo e exortação, têm obrigação de incentivar as pessoas ao seu redor a se livrarem dessa dependência maléfica e mostrar-lhes os benefícios da desconexão...
J. Rubens Alves

Nenhum comentário: