segunda-feira, 9 de novembro de 2015

CHAMA INTERIOR


Compromissos diários com isso e com aquilo nos afastam até do que é prazeroso. 
E, além de nos privar das coisas agradáveis, acabam exaurindo as energias e anulam a capacidade de concentração e reflexão. 
Jamais poderemos iluminar outras pessoas quando a própria luz está enfraquecida! 
Assim, devemos estar atentos e ser fortes, suficientemente, para seguir adiante em nossos projetos e ideais, em qualquer situação, caso contrário, ficaremos à beira do caminho. 
Não se tomando as devidas precauções, coisas pequenas do dia a dia podem nos derrubar e lançar-nos ao estado de letargia. 
Nestas ocasiões de estresse e cansaço, é preciso lançar mão de coisas simples para dar vida nova à nossa chama interior. 
Se, apesar processo de deterioração causado pela carga diária de preocupações conseguirmos, ao menos, manter nossa sensibilidade e nossa clareza espiritual, facilmente alimentaremos o brilho dessa luz. 
Da mesma forma que existem coisas pequenas que podem nos prejudicar, existem outras tantas coisas simples que fazem bem a nós e aos outros, também eles, necessitados de combustível suplementar para a chama interior. 
Chama de vida que começa a se exaurir quando caminhamos pela existência sem perceber o Belo e o Bom que nos circundam. 
Para os duros de coração e que se descuidaram de seu crescimento espiritual, a caminhada se tornará longa, sem brilho e entusiasmo sendo eles tomados, em sua plenitude, pela angustia e pela vontade de desistir. 
É preciso buscar entendimento e conhecimento profundo de nós mesmos, para entender tudo ao nosso entorno. Entender que os problemas só existem dentro de nós mesmos, e não fora de nós. 
Somos nós próprios que os criamos, os dimensionamos e os vivemos segundo nosso entendimento, nossa crença e nossa vontade. 
O conhecimento de nós mesmos, portanto, é que nos levará às mudanças marcantes que tanto almejamos e que nos conduzirá à paz interior, que nos pertence por dádiva Divina. 
Compreenderemos, inclusive, que o Reino de Deus, tão esperado, está já há muito tempo, dentro de nós. 
A proposta é mudarmos nosso interior, primeiramente, antes de querer que o outro e o mundo mudem segundo nossos critérios e nossos pensamentos. São, talvez, os princípios mais difíceis de serem absorvidos em todo o nosso processo de crescimento: a compreensão e a tolerância com o mundo e a realidade ao nosso redor.
Se nos buscarmos e nos encontrarmos, dentro de nós mesmos, encontraremos lá, também, o Céu. 
E, tenham certeza, naquele reduto de serenidade, esperança e confiança, não haverá mais espaço para tanta tristeza e tantas lágrimas. 
J. Rubens Alves

Nenhum comentário: