Postagem em destaque

DNA DE DEUS

Existe um inconformismo com a crescente banalização da vida, do ser humano e da natureza. Essa realidade abrange o mundo inteiro, de uma f...

sexta-feira, 11 de maio de 2018

COMO CRIANÇAS

Há algum tempo, num entardecer de  dia como tantos outros na varanda de nossa casa, admirava aquele garotinho de dois ou três anos, em intensa alegria, 'dirigindo' seu carrinho de plástico, pra lá e pra cá.
Fiquei imaginando como é interessante a vida!
No período da infância o ser feliz e o sonhar são de graça. Não é preciso pagar preço algum por eles, porque são sonhos despretensiosos que não visam resultados. Sonha-se sem custo e sem riscos. Isso gera realização e grande felicidade. Aí não existem desejos, simplesmente se vive o que o momento oferece.
Depois, na adolescência, já não conseguimos ser simplesmente felizes com o sonhar. Os sonhos passam a ser desejos. E desejos nem sempre são propícios e quase sempre escondem um custo. Se não for um preço financeiro, há um custo sentimental agregado a eles. Sonhar passa a depender de outros fatores, de outras pessoas que não interferiam, outrora, em nossa busca. Não nos contentamos mais em sonhar e ser felizes, independentemente desse sonho se materializar ou não. A cultura usual imprime em nossa mente: para se alcançar a felicidade é preciso possuir.
Quando adultos, então sob a ação do sentimento do possuir e do ter, esgotamos nossas energias trabalhando como loucos para realizar os ‘sonhos’. Cremos que são sonhos, todavia, são simplesmente desejos que, por si, não trazem a felicidade que buscamos. Quanto mais desejos, mais sofrimento.
Na velhice, então, nos revestimos da sabedoria e da pureza para olhar a vida. Trocamos a angustiante ideia do ter para simplesmente ser, como se voltássemos um pouco a ser crianças. Olhamos para trás e percebemos que não era preciso tanto sofrimento para ser feliz. Bastaria a continuidade do sonhar singelo e da pureza de espírito. O peso dos anos, de fato, anula os desejos pequenos, porque o maior deles é o viver. Sem desejos eliminam-se a angústia e grande parte do sofrimento.
Tornamo-nos livres para voltar a sonhar, como crianças.
Como são verdadeiras as palavras: ‘Se não vos tornardes crianças não entrareis no Reino dos Céus’.
De verdade, voltemos a ser crianças agora, antes de envelhecermos na matéria de nosso corpo, eliminando um processo desnecessário para alcançar o reino da felicidade!
J R Rubens 


quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

ALGO MELHOR


Certa vez, contei sobre aquela mãe que chorou, no texto "Por Falar em Amor". Mais uma vez reli um texto do Novo Testamento que fala sobre o Amor: 1Cor 13, 1-13. 
É bom conferir esse maravilhoso trecho da Bíblia. Parte dele, inclusive, após mesclado com um soneto de Camões, até foi utilizado numa canção da Legião Urbana, ‘Monte Castelo’. De ambos se extrai que Amor é ato generoso e gratuito. 
Por isso, o amar é uma arte, um exercício, um processo longo, mas nunca abandonável e inacabável, de transformação. 
Quem absorveu essa arte se torna incansável, pelejador, esforçado, com objetivos altivos fixados para alcançar o mais longo tempo que se possa imaginar e, mais ainda, quem sabe dessa arte é humilde e corajoso o bastante para olhar-se no espelho, sem medo de encarar a si mesmo, sem desejar fugir de sua imagem ali refletida ou evadir-se do meio em que está envolvido. 
Não dá para passar a existência fazendo hora, à toa, perdendo tempo com frivolidades, amoricos e sonhos irrealizáveis ou principescos, pois esta é muito curta. Refutar, portanto, o comodismo, esforçar-se para viver intensamente o trivial que, em dom, a vida oferece e desejar sempre que seus ideais se fixem nas estrelas, para que estes mesmos se eternizem ao longo do tempo e do espaço: essa é a receita mais adequada para se viver em Amor consigo mesmo e com o outro marcando sua existência na eternidade. 
Sim, porque o Amor apenas se consagra em dois ou mais semelhantes que, conjunta e destemidamente, comungarem estes sentimentos. Somos seres volitivos e é preciso ter vontade, antes de aceitar tudo isso que é muito sério. 
Ser feliz plenamente em um Amor verdadeiro implica nesta postura de aceitação e em tantos outros atos de vigor, de coragem, renúncias e valentia para a difícil realização de uma vida em sintonia com o semelhante e, acima de tudo, com Deus que, em essência é o puro Amor! Até mesmo aceitar e viver o Amor de Deus é difícil e trabalhoso, porque "Seus pensamentos não são nossos pensamentos e nem Sua vontade é a nossa vontade". 
Essa compreensão vale para pais, filhos, esposos e todos os humanos. 
O exercício do amor é mais leve e simples para quem aprende a doar-se em espírito, antes ainda do que na carne, porque esta é, naturalmente, finita. É fardo duro para quem não entendeu que, amar é doar-se olvidando esforços contínuos para evitar a cômoda posição de receber, sem retransmitir as mesmas vibrações do amor recebido. A falta de amparo e ajuda mútua na árdua caminhada diária, no chão da lida, é uma antítese a qualquer tentativa de uma vida de Amor entre dois ou mais semelhantes. 
Omissão e desinteresse diante dessas exigências que o próprio Amor impõe afeta as estruturas da construção do Santuário do Amor. Amor não combina com egocentrismo e amorfismo. Amor combina com prestimosidade, generosidade, colaboração, trabalho e partilha. Uma pessoa amorosa é desprendida, pluralista e generosa, compreensiva e, além disso tudo, exala alegria com a trivialidade da existência, pois sabe que aí se esconde o Reino de Deus. 
Quando alguém recebe uma dádiva de verdadeiro Amor, seja da forma como vier, experimenta o que de mais puro existe naquele que provocou tal centelha. 
Se essa combinação tão finita e humana não acontece no chão da terra, isto é com as agruras do dia a dia, será impossível dois caminharem juntos em Amor, pois Amor é o halo de ligação entre o que há de mais trivial na Terra com as bençãos mais divinas do Céu, um mistério tão intenso, que muitos são incapazes de compreender e ficam ao léu, em busca de algo mais grandioso e mais amoldável aos seus gostos, mas que jamais encontrarão, porque esse algo não existe. 
Aos que compreendem essas possibilidades, renúncias, esforços apenas como exigências intrínsecas e naturais à prática desse grandioso desafio do amor serão, também, capazes de se sustentarem e se superarem na vida, simplesmente porque sua força e altruísmo lhe são dom divino e nato. Nada é capaz de lhes fazer mal, porque tudo que lhe é adverso, qualquer acontecimento na vida não muito agradável, se torna também uma graça pela qual o Pai do Céu tira algo para acrescentar-lhe outro algo ainda melhor. 
Amor jamais será uma obrigação de quem o praticou, mas apenas uma dádiva para quem o partilhou. São reflexões sobre o amor cabíveis para pais, filhos, esposos, todos, inclusive eu e você!
J. R. Rubens

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

RECEITA DE NATAL

Nestes tempos natalinos a sensibilidade fica mais apurada e as canções natalinas possuem força para tocar profundamente o coração.
Nestes tempos, como outros em que celebramos momentos de vida, não podemos programar dietas, senão elas significarão tortura, ao invés de prazer.
Este é um momento especial demais para recusar um convite para ceia. Ninguém é de ferro. O que engorda são abuso e falta de temperança.
As pessoas se tornam capazes de reabrir o coração para acolher e partilhar um pouco do amor infinito que habita na essência do seu ser.
Esse amor se expressa de várias maneiras, até mesmo através de uma simples receita preparada, com carinho, para a Ceia de Natal.
Hoje também quero partilhar, de maneira muito especial, uma Receita de Arroz Natalino que vem sendo preparada todos os anos em minha família.
Para você que deseja preparar um prato diferente neste Natal, vale a pena experimentar. Isso também é motivar!  FELIZ E SANTO NATAL E FELIZ 2018!!!
J. R. Rubens


RECEITA DE ARROZ NATALINO:
4 a 5 xícaras de arroz
100g de mossarella picada
250g de presunto picado
2 cebolas picadas
2 pimentões vermelhos picados
250g de uvas passas sem caroço
200g de azeitonas verdes picadas
2 colheres de farinha de rosca
2colheres de farinha de mandioca
2 ovos cozidos amassados
4 colheres de margarina
1e1/2 colher de Katechup
6 bananas prata fritas em fatias finas
Modo de preparo:
Prepare o arroz normalmente.
Numa panela, derreta a margarina, frite a cebola, o pimentão. Coloque o restante dos ingredientes e refogue. Junte a farinha de rosca, a farinha de mandioca e por último as bananas fritas em cubinhos. Obtendo essa farofa maravilhosa, acrescente e misture o arroz aos poucos até que fique proporcionalmente um pouco a mais do que a farofa.
Uma receita farta, completa e que serve toda a família!!!!

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

FALANDO DE AMOR

É sempre bom falar em amor, a força motriz da vida, lembrando que, para mantê-lo vivo e ardente, em qualquer de seus aspectos, é preciso saber alimentá-lo!
Muitos encontram dificuldade de lidar com esse assunto. Marido e mulher, casais namorados, amigos em relação com semelhante.

O que chama mais atenção, entretanto, e a relação hostil crescente entre pais e filhos.
Há um tempo, certa mãe abriu-me o coração e chorou!
Quantos queixumes de mães e pais sobre as relações com seus filhos. Sofrem calados, com choro engasgado e silencioso, porque seus, filhos criados com amor, já não os compreendem e, tampouco, conseguem retribuir em sua velhice, parte desse amor recebido.
Alguns filhos, depois de ‘desmamados’, pé na estrada e fazendo fortuna se sentem donos do pedaço, os últimos biscoitos do pacote e destratam seus pais, com palavras duras e atitudes, machucando-lhes a alma. Ferem-lhes o brio, taxando-os de incompetentes e acabados. Ignoram suas colunas arcadas e seus cajados. Não os deixam mais sonhar, como se o direito a sonhar só a eles pertencesse.
Filhos que, através de quinquilharias, cestas básicas e ajuda financeira agem como se bastasse isso para substituir o amor e o carinho que só são capazes de brotar de dentro, através de calor de palavras, gestos e do ficar juntos.
Como é difícil compreender a importância de dizer em tempo: ‘EU TE AMO!’ e dar aos pais o espaço que eles merecem.
Nada na vida será mais importante do que Deus, os pais e a família. Tanto Deus, quanto os pais e a família, querem um tempo para si, porque eles não podem e nem devem esperar!
Para viver o amor e pedir perdão o tempo sempre é curto.
A imprevisibilidade do amanhã vale como alerta sobre o deixar para depois o exercício do amor. Por mais razões que se possam ter na vida, deve-se dedicar um tempo para concretizar o amor verdadeiro, incondicional, e acima de tudo divino, através de gestos, palavras e atitudes concretas.

O primeiro passo é o entendimento mútuo, essencial para a prática do amor, tal como o Mestre já indagava para aquele povo rude e frio de coração de seu tempo. Ele perguntava: "Podem caminhar juntos dois que não se entendem entre si?" Não recebia respostas, pois aqueles não entendiam nada sobre Amor. 
Amor sem ação se torna frágil e, sem entendimento, difícil de florescer, pois o amor é divino, porque Deus é, em essência, o AMOR.
J.R. Rubens

falando de amor

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

ENTUSIASMO

Impossível não associar a palavra "entusiasmo" com a infância e a juventude. Crianças e jovens trazem brilho nos olhos, sorriso nos lábios e energia de ação, uma combinação divina, própria deles que são entusiasmados. Entusiasmo é um sopro de vida, como a própria palavra significa na sua origem grega: "sopro divino".
Quem é entusiasmado possui algo de divino, portanto, impregnado de jovialidade e alegria que atrasam no envelhecimento, em especial do espírito. Um milagre!
Quando as pessoas estiverem sem brilho de vida no olhar, envelhecidos na feição e afastados de tudo, algo deve estar errado. Estão precisando de auxílio para sentirem novamente esse sopro divino: o entusiasmo.
Quem possui entusiasmo supera as ações mais corriqueiras da vida, ignora as marcas do tempo, supera obstáculos, transforma o meio, vencendo desafio após desafio.
A pessoa entusiasmada acredita tanto em seus sonhos, que os torna realidade, transformando o etéreo em matéria utilizando-se de mistérios incompreensíveis que envolvem o universo. Mais ainda, o entusiasmado sempre confia na capacidade dos outros em sonhar com ela e, por isso mesmo, transforma as pessoas ao seu redor.
O entusiasmo, assim, provoca a união em busca de resultados e cria a cadeia de solidariedade diante da necessidade e, acima de tudo transforma.
É divino ver tantas pessoas, feridas profundamente em sua existência, conseguirem se levantar e sonhar, somente pela força do entusiasmo de outras que se doam!
O entusiasmo, o sopro divino, é contagiante tal como o riso de uma criança e eletrizante como a vivacidade dos jovens.
J. R. Rubens

terça-feira, 11 de julho de 2017

EDUCAR DIFERENTE

Certa professora de um colégio público, entusiasmada com a profissão que exerce há muitos anos manifestou, para minha surpresa, preocupação quanto à educação dos alunos, de uma maneira em geral.
Segundo ela, muitos colegas estão prestes a abandonar a profissão porque se acham incapazes de controlar o ímpeto dos alunos e, ao mesmo tempo, transmitir adequadamente o conteúdo do ensino. Permanecem ativos e dedicados apenas aqueles que realmente educam por amor, acreditando que a educação pode ser melhorada, mesmo nesse País que nada avança nesse sentido, porque vive atolado em crises políticas, financeiras e morais protagonizadas pelos seus 'maiores expoentes'.
Descreveu-me uma situação, quase de terror, que certos professores vivem em suas salas de aula, sempre pressionados e achacados pelo comportamento delinquente de uma expressiva parcela de alunos que atiçam seus companheiros a enfrentamentos, não só entre eles, mas até mesmo contra os professores que sofrem provocações e ameaças. Quando não são violentos, são criaturas apáticas e alienadas ao meio acadêmico, porquanto são dirigidos e aprisionados pelos apelos de jogos e aplicativos de seus celulares, peças inseparáveis de seus livros e cadernos.
É verdade! Hoje muitos professores estão abalados, ao mesmo tempo que desencantados pela arte do ensinar. Seus alunos já não parecem seres com vivacidade, mas figuras catatônicas e distantes da realidade.
Uma das razões por esse desencanto por parte dos docentes seja, talvez, aquela de tentar abraçarem a maravilhosa profissão apenas como um trabalho que lhes traga o sustento, apesar de muitos entenderem que a remuneração não é compatível com a magnitude do trabalho: educar!
Existe, porém, outra razão que esvazia a plenitude do 'ser professor', do 'ser mestre'.
Há poucos anos, os jovens tinham como fonte de informações somente a família, eis que careciam de tecnologia como rádio, tvs, internet, e celulares, etc...!
Eram impelidos, então, a buscarem nas escolas as informações necessárias para preencherem sua carência do saber, e as quais somente os mestres professores, depois dos pais, podiam transmitir.
O mundo mudou. Hoje o que mais se tem é informação. Os jovens têm acesso a todas elas, de maneira incontrolável, através dos pacotes globalizados, radicalmente livres, descarregados simultaneamente na web, nas comunidades virtuais e nas redes de comunicação.
Os jovens buscam, diferentemente do passado, não mais informações, eis que já as possuem em excesso, mas escolas e mestres que organizem e canalizem essa bagagem de conhecimentos sem controle, absorvidos avidamente através do Dr. Google e tantas outras denominações.
A rapidez, pela qual têm acessos a tão diversificada informação, confunde suas ideias e focos fazendo-os perder sua identidade e seus verdadeiros referenciais. Os jovens estão sedentos não em aprender, mas de alguém que lhes mostre um sentido para o farto material (bom e ruim) que já absorvem, todos os dias, através da tecnologia virtual. Precisam que alguém lhes resgate, em meio a tantas turbulências, e os façam novamente a crer na vida, nos valores sólidos, nas dimensões do caráter e na grandeza de cumprirem o papel de viver em sociedade e em função do coletivo.
Eles precisam hoje, de uma educação que lhes aguce o senso crítico, que lhes indique novamente a direção para um ideal verdadeiro, modifique a cultura gratuita e viciada que receberam do farto material jogado, em baciadas, na internet, nos meios de comunicação e até nas próprias escolas que, sem critério algum, ministram seus conteúdos programáticos porque são obrigadas a fazê-lo, numa quantidade de dias fixados nos anos letivos, simplesmente por cumprirem exigências regulamentadas.
Os jovens precisam mais. Precisam adquirir um senso crítico para analisarem, de forma diferente, o sentido das coisas temporais que os cercam, das instituições que os regem, das políticas que os envolvem, das ideologias que os seduzem e dos governos que os conduzem!
O mundo carece em nossos dias de uma ação mais efetiva, condizente com aquele pensamento cristão de evangelizar e que significa, no fundo, modificar culturas e pensamentos que conduzam à uma vida mais amorosa, justa e pacífica. O ensinar é algo semelhante. É por isso que, urgentemente, muitos aspectos da educação precisam ser revistos sob outra luz!
J. R. Rubens

domingo, 28 de maio de 2017

UM BALANÇO

Realizar um balanço para apurar os resultados.
É assim que se torna possível corrigir distorções e planejar as ações futuras. O sucesso depende dessa análise, sem maquiagem, de cada um dos detalhes administrativos, financeiros, e porque não, pessoais.
Cada um deve se propor a realizar um balanço de sua vida. 
Contabilizar o crescimento material é bom, mas não é o essencial. Se for considerado importante apenas o que foi acrescentado no patrimônio é sinal que o essencial está sendo relegado ao segundo plano. É, de fato, perigoso perder-se, ao longo da caminhada, o equilíbrio entre o ter e o ser.
A busca pelo ter não deve anular o ser, sob pena de sobrar apenas uma criatura alienada, insensível à própria vida, aos semelhantes e aos verdadeiros valores da vida!
Ser rico é contabilizar apenas crescimento material. Ser próspero é crescer antes de tudo como ser, via pela qual se acumula aquela ‘riqueza que a ferrugem não é capaz de corroer é a traça não come’.
J. Rubens Alves