domingo, 2 de dezembro de 2012

O GRUPO, A INJUSTIÇA E O DILEMA

Qualquer injustiça dói! Provoca dor porque fere a carne e o coração. 
Fere mais profundo a injustiça praticada por grupo ou instituição constituídos por pessoas que sempre se declararam irmanadas no espírito cristão e, mesmo assim, tomam atitudes sem critério. 
Em retrocesso aos tempos da condenada inquisição, se unem na escuridão para julgar, condenar e excluir de seu meio supostos desafetos, sem direito à defesa aos 'condenados'.
Os motivos para a arcaica decisão podem ser banais e corriqueiros, sem relação alguma com a essência verdadeira da instituição que os abriga, motivos que bastam, contudo, para expurgar os pares incômodos que não se encaixam mais aos seus gostos.
Com certeza, o Mal se infiltra, de mansinho, em qualquer meio, até em grupos reunidos ao redor do ideal cristão, causando estragos, semeando desconfiança e caos, bastando para isso, o apenas descuidar-se da vigilância e da oração. 
O Mal se dissemina através de pequenas inverdades, de fofocas criadas a partir de fatos comuns na vida dos vivos e que nada tem a ver com os objetivos espirituais primeiros daquele grupo irmanado. 
As discórdias são plantadas sutilmente, sem fundamento, mas com maestria, sempre por alguém enfraquecido nos propósitos da fé e da espiritualidade, despertando no grupo o monstro adormecido da corporatividade. 
Antes alicerçado em bases do amor, da compreensão, da correção fraterna, no direito à defesa e no cultivo da paz, o grupo afetado pela semente do Mal corrompe suas estruturas e se esfacela, como espigas de milho envelhecidas, cujos grãos já não servem para semear ou alimentar, comprovando que o envelhecimento pode ocorrer não só no campo biológico, mas no campo das certezas espirituais e do bom senso. 
O envelhecimento espiritual pode se evidenciar pelo enrijecimento do pensamento e pela deficiência da visão do coração, confirmando que o envelhecer, nem sempre aumenta o nível de sabedoria, mas em alguns casos, o da intolerância. 
Pessoas afetadas pelo Mal, mesmo sem cultivar o interesse das 'trinta moedas de prata', porém supostamente guarnecidos em nome do 'seu deus', 'do seu grupo', 'do seu entendimento', excluem do seu meio as pessoas que já lhes serviram como referência de bondade, de juventude, de dinamismo e de serviço, em troca de caprichos equivocados. 
A injustiça praticada por gente que se diz 'de Deus' é mais aniquiladora que a injustiça praticada pela lei dos homens: Ela faz sangrar o coração! 
O grande consolo vem pela justiça de Deus, que mesmo tardia não falha, não permitindo morrer os corações feridos, mas fazendo arder, pelo remorso, os corações que feriram. Como dizia Platão: "Cometer injustiças é pior que sofrê-las". 
É triste constatar que muitos se desencantam com as instituições e pessoas incumbidas da missão de propagar a semente do Reino de Deus através do testemunho de suas vidas quando assistem a esses procedimentos asquerosos de julgamento e de injustiça premeditadas por parte das pessoas que se declaram 'do Bem e de Deus'. 
Os desiludidos não conseguem compreender como pessoas assim, com esse perfil de julgadores, possam ser seguidoras de um Jesus que acolhia e não condenava nem mesmo as prostitutas com seus atos libidinosos e convivia amorosamente com agiotas e seus atos tão corriqueiros da vida, de trabalho, de comércio e de favores mútuos. 
Sobra, além do mais, para todos que tomam conhecimento dessas injustiças um perigoso dilema: Se vale mais orar bebendo em uma igreja ou beber orando em casa ou num bar? 
A grande certeza, entretanto, para aquele que resiste a essas investidas injustas pela fé, é que em todos os acontecimentos se deve enxergar a vontade e a mão de Deus num possível e eminente livramento de coisas e pessoas que já não somam mais e que lhe podem causar ainda, dores maiores e profundas!
J. Rubens Alves

Nenhum comentário: