sexta-feira, 28 de março de 2014

SÍNTESE

Em síntese: Aquele que o Mal pratica às escuras e às escondidas se torna vilão e carrasco de si mesmo, pois no seu íntimo, ele mesmo se julga, se condena e, por fim, penaliza todo o seu ser. Enfim, se corrói por dentro, indefinidamente, ignorando que tudo, bem ou mal, benção ou maldição, retorna como eco!! 
J. Rubens Alves

quarta-feira, 5 de março de 2014

PALAVRAS ANTIGAS PARA UM TEMPO ATUAL

 Muitos gostariam de se expressar sobre tudo quanto está acontecendo escancaradamente, em clima de escárnio e deboche, no âmbito do poder, da política, da justiça. 
A verdade é que faltam as palavras certas, que traduzam o que a razão e o coração sentem.    
É bem propício, nestes tempos de repugnância e amargor figadal, o texto proferido, em 1918, por Rui Barbosa e relembrado nas redes sociais nos últimos dias que sacia, em parte, a sede de cada brasileiro em expressar seus sentimentos, sem o ímpeto de quebrar e destruir o que vê pela frente.
Ao menos, faz corar aqueles que, investidos de algum poder, ainda assim possam cultivar o mínimo de caráter e vergonha.
O grande Barbosa (o Rui), há quase cem anos expressou seus sentimentos machucados, tanto quanto os nossos atualmente, tal como se escrevesse para o outro Barbosa de nossos dias (o Joaquim): 
   "Sinto vergonha de mim por ter sido educador de parte deste povo, por ter batalhado sempre pela justiça, por compactuar com a honestidade, por primar pela verdade e por ver este povo já chamado varonil enveredar pelo caminho da desonra. 
Sinto vergonha de mim por ter feito parte de uma era que lutou pela democracia, pela liberdade de ser e ter que entregar aos meus filhos, simples e abominavelmente, a derrota das virtudes pelos vícios, a ausência da sensatez no julgamento da verdade, a negligência com a família, célula-Mater da sociedade, a demasiada preocupação com o 'eu' feliz a qualquer custo, buscando a tal 'felicidade' em caminhos eivados de desrespeito para com o seu próximo. 
Tenho vergonha de mim pela passividade em ouvir, sem despejar meu verbo, a tantas desculpas ditadas pelo orgulho e vaidade, a tanta falta de humildade para reconhecer um erro cometido, a tantos 'floreios' para justificar actos criminosos, a tanta relutância em esquecer a antiga posição de sempre 'contestar', voltar atrás e mudar o futuro. 
Tenho vergonha de mim pois faço parte de um povo que não reconheço, enveredando por caminhos que não quero percorrer... Tenho vergonha da minha impotência, da minha falta de garra, das minhas desilusões e do meu cansaço. 
Não tenho para onde ir pois amo este meu chão, vibro ao ouvir o meu Hino e jamais usei a minha Bandeira para enxugar o meu suor ou enrolar o meu corpo na pecaminosa manifestação de nacionalidade.   Ao lado da vergonha de mim, tenho tanta pena de ti, povo deste mundo! 'De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto'. (Rui Barbosa - 1918)!
Apesar de ressentidos com tamanha anomalia no primor pela verdade, o transloucado desvio da ética trocada por benesses, da falência do caráter comum nas pessoas de bem, ainda é um consolo saber que ainda resistem, valorosa e heroicamente, muitas grandes e corajosas pessoas que não se calam, a exemplo de grandes "Ruis".
Na existência é importante não deixar rastros disformes, mas uma história bem escrita e de cara limpa!  
J. Rubens Alves